Não importa o quão organizado nas finanças sejamos, se você é um trabalhador brasileiro com acesso ao crédito, com certeza em algum momento já precisou recorrer ao pagamento mínimo da fatura do cartão, não é mesmo?

Embora seja uma prática totalmente prejudicial ao seu bolso, ainda é muito solicitada pelos brasileiros, que acabam entrando no juros do crédito rotativo e tornando a dívida quase impossível de pagar, já que as taxas podem passar de 500% ao ano.

Por isso, se você quer saber mais sobre o assunto, quais são as opções mais saudáveis para pagar as dívidas do cartão e até mesmo como evitar o pagamento mínimo, continue conosco neste guia exclusivo!

O que é o pagamento mínimo da fatura?

O pagamento mínimo da fatura é o valor mínimo que o titular do cartão de crédito deve pagar mensalmente para manter sua conta em dia. É estabelecido pela instituição financeira emissora do cartão e geralmente é um percentual do saldo total da fatura ou um valor fixo, o que for maior.

Vale destacar que esse pagamento mínimo não quita a fatura por completo, mas evita que o titular fique inadimplente. 

Ao efetuar o pagamento mínimo, o restante do saldo devedor é automaticamente financiado, ou seja, é adicionado ao próximo mês com a incidência de juros e encargos financeiros.

É importante ressaltar que o pagamento mínimo é uma opção de pagamento oferecida pelas instituições financeiras para evitar a inadimplência, mas não é a forma mais adequada de utilizar o cartão de crédito. 

Pagar apenas o valor mínimo resulta em juros altos e aumenta o endividamento do cliente. O ideal é sempre pagar o valor total da fatura dentro do prazo estabelecido, evitando assim o acúmulo de juros e encargos.

Como funciona o pagamento mínimo da fatura?

O pagamento mínimo da fatura funciona da seguinte forma:

  1. Valor mínimo determinado: A instituição financeira emissora do cartão de crédito define o valor mínimo que deve ser pago mensalmente. Esse valor pode ser um percentual do saldo total da fatura (geralmente entre 10% e 20%) ou um valor fixo estabelecido pela instituição.
  2. Data de vencimento: A fatura do cartão de crédito possui uma data de vencimento, que é o prazo limite para efetuar o pagamento mínimo ou o pagamento total da fatura.
  3. Pagamento mínimo: Caso o titular não possa ou não queira pagar o valor total da fatura, ele pode optar por fazer o pagamento mínimo. Esse valor deve ser pago até a data de vencimento para evitar a inadimplência.
  4. Parcelamento automático: Ao efetuar o pagamento mínimo, o restante do saldo devedor é automaticamente financiado pela instituição financeira. Isso significa que o valor não pago será adicionado ao próximo mês como uma nova compra, sujeito à cobrança de juros e encargos financeiros.
  5. Juros e encargos: Ao escolher o pagamento mínimo, o titular do cartão fica sujeito à incidência de juros e encargos financeiros sobre o saldo remanescente. Esses juros costumam ser altos e podem aumentar significativamente o valor da dívida.
  6. Acúmulo de saldo devedor: Caso o titular opte por pagar apenas o valor mínimo da fatura por vários meses consecutivos, o saldo devedor acumulado pode se tornar muito elevado, dificultando a quitação da dívida no futuro.

Fatura fechada

A fatura fechada é o documento emitido pelo banco do seu cartão, na qual apresenta todas as transações realizadas com o cartão de crédito durante um determinado período.

Quando a fatura é fechada, significa que o período de cobrança daquele mês específico foi encerrado e todas as compras, saques, pagamentos e encargos financeiros foram registrados. 

A fatura contém informações detalhadas, como a data e o valor de cada transação, o saldo anterior, os encargos financeiros, o pagamento mínimo, a data de vencimento e o valor total da fatura.

Após o fechamento da fatura, ela é enviada para o titular do cartão, geralmente por meio eletrônico (e-mail ou aplicativo) ou físico (envio pelo correio), entre sete e dez dias antes do vencimento da mesma. 

A fatura traz as informações necessárias para que o titular possa efetuar o pagamento, seja ele o valor total da fatura ou o pagamento mínimo.

É importante verificar a fatura fechada com atenção para identificar possíveis erros ou transações não reconhecidas. Caso haja alguma divergência, é recomendado entrar em contato com a instituição financeira o mais rápido possível para esclarecer e resolver a situação.

Juros

Os juros da fatura do cartão de crédito são os encargos financeiros cobrados pela instituição emissora do cartão quando o titular não paga o valor total da fatura até a data de vencimento ou opta pelo pagamento mínimo. 

Esses juros são aplicados sobre o saldo devedor remanescente e são uma forma de remuneração para a instituição pelos valores financiados.

Existem dois tipos de juros comumente aplicados nas faturas de cartão de crédito:

  1. Juros rotativos: Os juros rotativos são cobrados quando o titular paga apenas o valor mínimo da fatura ou um valor inferior ao total. Nesse caso, o saldo remanescente é automaticamente financiado pela instituição, gerando uma nova dívida. Os juros rotativos são geralmente altos e incidem diariamente sobre o saldo devedor, sendo adicionados à fatura do próximo mês.
  2. Juros de parcelamento: Caso o titular opte por parcelar o saldo devedor ou uma parte dele, a instituição financeira pode oferecer um plano de parcelamento com juros. Nesse caso, os juros de parcelamento são cobrados sobre o valor financiado, e o saldo é dividido em parcelas fixas ao longo de um período acordado.

Para evitar o pagamento de juros, é recomendado sempre pagar o valor total da fatura dentro do prazo estabelecido. 

O pagamento mínimo deve ser considerado apenas em situações de dificuldade financeira temporária, pois o acúmulo de juros pode levar ao endividamento e dificultar a quitação da dívida no futuro.

Qual a diferença entre pagamento mínimo e parcelamento da fatura?

O pagamento mínimo e o parcelamento da fatura são duas opções oferecidas pelas instituições financeiras para lidar com o saldo devedor do cartão de crédito, porém são diferentes em sua natureza e impacto financeiro:

Pagamento mínimo da fatura: 

O pagamento mínimo é o valor mínimo que o titular do cartão deve pagar mensalmente para evitar a inadimplência. Geralmente, é um percentual do saldo total da fatura ou um valor fixo estabelecido pela instituição financeira. 

Ao optar pelo pagamento mínimo, o restante do saldo devedor é automaticamente financiado pela instituição e acrescido de juros rotativos. 

O pagamento mínimo não quita a fatura por completo e pode resultar em altos encargos financeiros, aumentando o endividamento do titular.

Parcelamento da fatura: 

O parcelamento da fatura é uma opção na qual o titular do cartão pode dividir o saldo devedor em parcelas fixas ao longo de um período acordado com a instituição financeira. 

Nesse caso, o saldo devedor é convertido em um empréstimo com taxas de juros e prazos definidos. 

O parcelamento permite diluir o pagamento do saldo devedor ao longo do tempo, facilitando a quitação da dívida, mas ainda incorre em juros de parcelamento sobre o valor financiado.

A principal diferença entre os dois é que o pagamento mínimo é apenas uma opção temporária para evitar a inadimplência, enquanto o parcelamento é uma alternativa de longo prazo para gerenciar o pagamento do saldo devedor. 

O pagamento mínimo resulta em juros rotativos e acúmulo de dívida, enquanto o parcelamento possui juros fixos sobre o valor parcelado.

Na prática, se você não tiver como pagar a fatura no valor integral, o ideal é sempre optar pelo parcelamento, pois as taxas de juros são bem menores que o pagamento mínimo da fatura do cartão.

Quantas vezes posso pagar o mínimo do cartão de crédito?

Via regra geral, não há um número específico de vezes em que se pode pagar apenas o mínimo do cartão de crédito. 

A opção de pagamento mínimo da fatura está disponível todos os meses para os titulares de cartões de crédito, a fim de evitar a inadimplência caso não possam pagar o valor total da fatura.

No entanto, é importante ressaltar que pagar apenas o valor mínimo do cartão de crédito repetidamente não é uma prática financeira saudável. 

Quando se opta pelo pagamento mínimo, o restante do saldo devedor é financiado pela instituição financeira, gerando juros rotativos que incidem diariamente sobre o saldo remanescente.

Esses juros rotativos são geralmente altos e podem levar a um acúmulo de dívidas significativo ao longo do tempo. 

E é justamente por isso que, o Banco Central determina que os emissores de cartões ofereçam a opção de parcelamento da fatura no mês seguinte ao cliente ter pago o mínimo.

O que acontece se pagar o mínimo da fatura do cartão?

Se você pagar apenas o valor mínimo da fatura do cartão de crédito, algumas consequências podem ocorrer:

  • Acúmulo de dívida: O valor restante da fatura, além do pagamento mínimo, será automaticamente financiado pela instituição financeira. Isso significa que o saldo devedor não pago será adicionado ao próximo mês como uma nova compra, sujeito à cobrança de juros rotativos. O saldo devedor pode se acumular rapidamente, resultando em um aumento significativo da dívida.
  • Cobrança de juros: Ao optar pelo pagamento mínimo, serão aplicados juros rotativos sobre o saldo remanescente. Esses juros são geralmente altos e incidem diariamente sobre o valor não pago. Os juros rotativos são adicionados à próxima fatura, aumentando o montante devido.
  • Encargos financeiros: Além dos juros, a instituição financeira pode cobrar encargos financeiros adicionais, como taxas de atraso ou multas, se o pagamento mínimo não for efetuado até a data de vencimento.
  • Impacto no crédito: O pagamento mínimo não afeta diretamente o histórico de crédito, desde que seja realizado antes do prazo de vencimento. No entanto, se os pagamentos mínimos se tornarem frequentes e a dívida aumentar consideravelmente, isso pode impactar negativamente o histórico de crédito, afetando a capacidade de obter crédito futuro com boas condições.

Posso pagar menos que o mínimo?

Não é recomendado pagar menos do que o valor mínimo da fatura do cartão de crédito. O valor mínimo estabelecido pela instituição financeira é o montante mínimo que você deve pagar para evitar a inadimplência. 

Pagar menos que o valor mínimo resultará em atraso no pagamento e poderá acarretar em consequências negativas, como cobranças de juros, encargos financeiros adicionais e possíveis danos ao seu histórico de crédito, como ficar negativado no Serasa e SPC, por exemplo.

Além disso, pagar menos que o mínimo da fatura pode levar ao cancelamento imediato do cartão de crédito, pois o banco entende que você está inadimplente.

Pagar o mínimo libera limite no cartão?

Sim, ao pagar o valor mínimo da fatura, o limite disponível no cartão de crédito é liberado novamente para ser utilizado em compras e saques. 

Mas, atenção, pois o pagamento mínimo é uma forma de evitar a inadimplência e manter a conta em dia, mas não quita a totalidade do saldo devedor. 

Por isso, mesmo que o seu limite seja reestabelecido e o cartão esteja pronto para uso, planeje os gastos com cuidado, para não virar uma bola de neve. 

Como é calculado o mínimo da fatura?

O cálculo do valor mínimo da fatura do cartão de crédito pode variar de acordo com a instituição financeira e com o contrato estabelecido entre o titular e a emissora do cartão.

Geralmente, o valor mínimo é calculado com base em uma porcentagem do saldo total da fatura, mas também pode ser um valor fixo determinado pela instituição.

A porcentagem utilizada para calcular o valor mínimo pode variar bastante, mas o comum é que esteja entre 10% e 20% do saldo total. 

Por exemplo, se o saldo total da sua fatura for de R$1.000, o valor mínimo estabelecido pelo banco poderia ser de R$100 a R$200.

Taxas dos principais cartões de crédito

São muitas as taxas que podem ser cobradas em um cartão, como a anuidade, IOF em compras no exterior, juros pelo uso do crédito rotativo (pagamento mínimo ou parcelamento da fatura), tarifas pelo saque em dinheiro no crédito, multas pelo atraso no pagamento da fatura e tarifas na conversão de moedas em compras estrangeiras.

Mas, a seguir vamos focar apenas nos juros médio ao ano pelo pagamento mínimo da fatura nos principais cartões de crédito do mercado, confira:

  • Daycoval – 59,60%
  • Agibank – 101,22%
  • BMG – 151,24%
  • Banco Pan – 159,54%
  • XP – 164,92%
  • Sicoob – 173,24%
  • Caixa – 269,46%
  • Nubank – 344,29%
  • Banco Safra –  365,63%
  • Banco Inter –  377,78%
  • Itaú – 398,47%
  • Santander – 413,58%
  • Banco do Brasil – 434,39%
  • Banco Bradesco – 453,74%
  • C6 Bank – 512,81%
  • Banco BV – 639,81%
  • Banco Original – 701,17% 
  • BradesCard – 795,01% 

Vale a pena pagar o mínimo da fatura?

Pagar apenas o valor mínimo da fatura do cartão não é uma prática financeira recomendada em longo prazo. Confira os prós e contras dessa decisão:

Vantagens

Veja a seguir quais são os bons motivos na hora de escolher entre pagar o mínimo da fatura ou não pagá-la!

Evita a negativação

Pagar o valor mínimo da fatura ajuda a evitar que você fique inadimplente e enfrentando possíveis consequências negativas, como cobranças de juros adicionais, encargos financeiros e danos ao seu histórico de crédito.

Pode continuar usando o cartão

Ao pagar o mínimo, você mantém o acesso ao crédito disponível em seu cartão, o que pode ser útil em emergências ou necessidades imediatas.

Solução para momentos de emergência

Quando o salário aperta e não tem jeito, por mais que os juros sejam altos, é melhor pagar o mínimo que deixar de pagar a fatura e se complicar ainda mais.

Desvantagens

Confira a seguir quais são os principais motivos pelos quais você deve evitar entrar no ciclo do pagamento mínimo da fatura do cartão!

Juros altos

Os juros rotativos do cartão são os mais caros no Brasil, podendo passar de 500% ao ano. Ao optar pelo pagamento mínimo, você estará sujeito a esses juros, que são adicionados à próxima fatura. Consequentemente, o custo total do seu cartão de crédito aumenta consideravelmente.

Acúmulo de dívidas

Ao pagar apenas o valor mínimo, o restante do saldo devedor é automaticamente financiado pela instituição financeira, resultando em um novo saldo com juros rotativos. Isso pode levar a um acúmulo significativo de dívidas ao longo do tempo, tornando mais difícil quitar o valor total da fatura no futuro.

Uso do crédito rotativo

Um dos motivos dos bancos estarem diminuindo o limite de cartões é justamente para evitar o uso do crédito rotativo, que não é interessante para ninguém, pois o cliente gera uma dívida enorme em pouco tempo e o banco corre o risco de não receber o valor. 

Além disso, entrar no crédito rotativo do cartão pode diminuir seu score, pois o emissor entende que você está com problemas financeiros.

Dicas para evitar o pagamento mínimo da fatura

Evitar o pagamento mínimo da fatura do cartão de crédito é uma prática financeira saudável que pode ajudar a evitar o acúmulo de dívidas e os custos associados aos juros rotativos. Aqui estão algumas dicas muito úteis:

  1. Planejamento financeiro: Faça um planejamento financeiro adequado, estabelecendo um orçamento mensal que leve em consideração suas despesas e sua capacidade de pagar a fatura integralmente.
  2. Acompanhe seus gastos: Mantenha um controle rigoroso dos seus gastos com o cartão de crédito. Acompanhe suas compras e mantenha-se dentro do limite que você pode pagar integralmente no final do mês.
  3. Reserve dinheiro para emergências: Mantenha uma reserva financeira para lidar com imprevistos ou despesas emergenciais. Ter um fundo de emergência pode evitar que você recorra ao cartão de crédito e, consequentemente, ao pagamento mínimo da fatura.
  4. Pague a fatura integralmente dentro do prazo: Sempre que possível, faça o esforço para pagar o valor total da fatura dentro do prazo de vencimento. Dessa forma, você evita o acúmulo de juros rotativos e mantém um histórico de pagamentos saudável.
  5. Acompanhe a data de vencimento: Esteja atento à data de vencimento da fatura para evitar atrasos. Marque lembretes em seu calendário ou configure alertas para garantir que você faça o pagamento a tempo.
  6. Negocie com a instituição financeira: Caso esteja enfrentando dificuldades financeiras temporárias, entre em contato com a instituição financeira emissora do cartão de crédito. Explique sua situação e verifique se eles oferecem opções de renegociação, como redução da taxa de juros ou programas de parcelamento.
  7. Esteja ciente dos encargos do cartão: Familiarize-se com os termos e condições do seu cartão de crédito, incluindo as taxas de juros, encargos financeiros e outros custos associados. Isso permitirá que você tome decisões financeiras mais informadas e evite surpresas desagradáveis.
  8. Solicite crédito mais barato: Muitas pessoas não sabem, mas em muitos casos é muito melhor solicitar um empréstimo para quitar as dívidas do cartão de crédito, pois as taxas são menores que o crédito rotativo.

Lembrando que é sempre mais vantajoso pagar o valor total da fatura para evitar juros e encargos adicionais. 

O pagamento mínimo deve ser visto como uma opção temporária, apenas em casos de extrema necessidade e com um plano claro para quitar o valor total o mais rápido possível!