O fenômeno do consumismo infantil é uma realidade mais presente do que imaginamos, apesar de soar como uma combinação de palavras estranhas.

Recentemente, com a passagem do Dia das Crianças, muitos pequenos já estão voltando sua atenção para os desejos natalinos. Isso sem mencionar os constantes apelos diários com pedidos de “compra, mãe” e “compra, pai”.

Surpreendentemente, cerca de 80% das decisões de compra são influenciadas pelas crianças, e 60% das mães enfrentam dificuldades para negar esses pedidos. A curto prazo, o consumismo infantil pode desencadear efeitos nocivos, como birras, impaciência e agressividade. A longo prazo, esses padrões podem resultar em adultos financeiramente irresponsáveis.

Que tal explorarmos esse tema? Aprenda neste guia do site Mutonz como contornar o problema do consumismo infantil e educar financeiramente seus filhos!

O que é o Consumismo Infantil?

O consumismo infantil refere-se ao padrão de comportamento das crianças em que há um desejo excessivo por bens materiais e uma constante busca por novos produtos, muitas vezes influenciados por publicidade e pressões sociais.

Se você tem crianças na família ou convive com elas, provavelmente já viu isso acontecer: a criança fica pedindo muito tempo por um brinquedo, e quando finalmente ganha, a empolgação só dura alguns dias (ou até horas). Isso é um jeito clássico do consumismo infantil se manifestar.

Quais são as Causas do Consumismo Infantil?

Diversos fatores contribuem para o consumismo infantil, incluindo a publicidade direcionada às crianças, a influência dos colegas, a busca por aceitação social, uma certa carência de feto e o comportamento dos pais em relação ao consumo.

A criança pode se tornar consumista quando é exposta demais a anúncios, propagandas e avaliações de produtos na TV, internet ou em mídias impressas. Além disso, o hábito de consumir dos pais ou responsáveis também exerce influência.

Atualmente, os influenciadores digitais, que são como ídolos para as crianças, podem agravar esse cenário, estimulando o consumo de diversos produtos e serviços.

Em muitos casos, isso pode levar a um consumo irresponsável se as crianças não forem orientadas adequadamente sobre o assunto.

A vontade de ser aceito e a ansiedade social também costumam ser razões para as crianças quererem muitas coisas. Quem nunca viu uma criança (ou já foi essa criança) pedindo aos pais um brinquedo, uma roupa, ou algo só porque os colegas da escola têm? Agora, com as redes sociais, isso fica ainda mais intenso.

Às vezes, a rotina em casa também pode fazer com que as crianças queiram comprar mais coisas. Se os pais estão sempre ocupados com o trabalho, pode surgir um sentimento de solidão. Esse vazio faz com que a criança queira resolver essa carência com um brinquedo novo. Os pais, muitas vezes, se sentem culpados por não estarem tão presentes e tentam “compensar” comprando mais brinquedos.

O meu filho é consumista? Como lidar com o consumismo infantil?

1. Seja Presente:

Dedique tempo para estar presente na vida dos seus filhos, compreendendo suas necessidades emocionais e oferecendo alternativas saudáveis para a satisfação pessoal.

2. Dê o Exemplo:

Os pais desempenham um papel crucial como modelos. Demonstre comportamentos financeiramente responsáveis e conscientes, mostrando a importância do equilíbrio entre o desejo e a necessidade.

3. Ensine Educação Financeira:

Conversar sobre dinheiro com crianças pode parecer complicado, mas não precisa ser! Negocie com seu filho sobre o que ele quer e o que pode ganhar, para que compreenda essa diferença.

Além disso, inclua-o em atividades como as compras no supermercado, explicando a importância de cada item que colocam no carrinho!

Se a criança for um pouco mais velha, uma mesada fixa pode ajudá-la a aprender sobre prioridades e responsabilidade nas escolhas de consumo.

4. Reduza o Tempo de Telas:

Limite o tempo de exposição das crianças a anúncios e conteúdos que promovam o consumismo. Incentive atividades ao ar livre e a interação social offline.

Os vídeos estão cheios de incentivos ao consumo, e as crianças acabam pensando que precisam comprar este e aquele brinquedo, roupa ou acessório. Como não podemos evitar a publicidade, que tal conversar sobre ela com as crianças?

Compartilhe experiências sobre as vezes em que você ou a criança compraram coisas desnecessárias e os problemas que isso causou, como dinheiro gasto, falta de espaço para guardar ou impacto no meio ambiente.

Essas conversas ajudam a criança a desenvolver um olhar mais crítico sobre o que assistem e consomem.

5. Incentive a Poupança:

Estimule o hábito de poupar dinheiro ensinando seus filhos a guardar parte de suas mesadas ou presentes para atingir metas específicas.

Em Resumo, lidar com o consumismo infantil requer ações proativas por parte dos pais. Ao serem presentes, oferecerem exemplos positivos, promoverem a educação financeira, reduzirem o tempo de exposição a estímulos consumistas e incentivarem a poupança, os pais podem contribuir significativamente para a formação de hábitos financeiros saudáveis em seus filhos.