Se você está com as finanças em dia e tem dinheiro sobrando para começar a investir, com certeza já deve ter se perguntado sobre o que é o Ibovespa, não é mesmo?

Assim como a Selic é a taxa de juros principal no rendimento dos investimentos da renda fixa, o Ibovespa é o maior indicador na cotação de ações negociadas na B3 (Bolsa de valores brasileira).

Por isso, se você tem um perfil de investidor entre moderado e arrojado, continue conosco e saiba mais detalhes sobre o índice Ibovespa, que basicamente determina os preços das ações das maiores empresas do país!

Afinal, o que é o Ibovespa?

O Ibovespa é o principal índice do mercado de ações da B3 (antiga BM&FBOVESPA). Ele é composto por uma carteira teórica de ações de empresas que representam cerca de 80% do volume financeiro negociado na bolsa.

O Ibovespa é considerado um indicador importante do desempenho do mercado de ações no Brasil e é utilizado como referência para investidores e analistas financeiros. 

Ele é calculado em tempo real e reflete as variações de preço das ações componentes da carteira, levando em consideração o peso de cada uma delas.

O Ibovespa foi criado em 1968, com um valor-base de 100 pontos, e tem sido utilizado para medir a performance do mercado de ações brasileiro. 

Seu valor atual é resultado do cálculo da média ponderada dos preços das ações componentes da carteira, ajustados pelo valor das negociações feitas.

Em resumo, o Ibovespa é um índice que serve como indicador do desempenho do mercado de ações brasileiro, refletindo a variação dos preços das ações das empresas que compõem sua carteira teórica.

Quais as diferenças entre a Selic e o Ibovespa?

A Selic e o Ibovespa são indicadores financeiros diferentes, que refletem aspectos distintos da economia brasileira.

A Selic é a taxa básica de juros da economia brasileira, definida pelo Banco Central do Brasil.

Ela é utilizada como referência para a definição de outras taxas de juros, como as taxas de empréstimos e financiamentos, e tem impacto direto na economia, influenciando a inflação, o consumo, o investimento e o crescimento econômico. 

O objetivo principal do Banco Central ao definir a taxa Selic é controlar a inflação, mas também serve como indicador de rendimento de ativos da renda fixa, como Poupança, CDBs, Debêntures e muito mais.

Já o Ibovespa é o principal índice do mercado de ações brasileiro, sendo um índice levado em conta na renda variável.

Ele é composto por uma carteira teórica de ações de empresas, que representam cerca de 80% do volume financeiro negociado na bolsa. 

O seu valor é utilizado como referência para avaliar o desempenho do mercado de ações brasileiro e pode influenciar as decisões de investimento de investidores e analistas financeiros.

Em resumo, enquanto a Selic é uma taxa de juros definida pelo Banco Central com o objetivo de controlar a inflação e influenciar a economia como um todo, o Ibovespa é um índice de ações que reflete o desempenho do mercado de ações brasileiro. 

Ambos são importantes indicadores econômicos no Brasil, mas com objetivos e impactos distintos.

Como o Ibovespa é calculado?

O Ibovespa é considerado um índice de retorno total, ou seja, leva em conta a variação dos preços das ações e o pagamento de dividendos.

O cálculo do Ibovespa é realizado em tempo real, utilizando uma metodologia que leva em consideração a capitalização de mercado das empresas que compõem a carteira teórica do índice. 

A carteira teórica é composta pelas ações das empresas que representam cerca de 80% do volume financeiro negociado na bolsa e é revista periodicamente.

Para calcular o Ibovespa, a B3 utiliza a fórmula:

Ibovespa = (Número total de ações em circulação da carteira teórica x Preço das ações) / Divisor do Ibovespa

O divisor do Ibovespa é um valor determinado pela B3 para garantir a continuidade do índice ao longo do tempo e leva em consideração o valor-base do índice e eventuais ajustes que precisem ser feitos ao longo do tempo.

O resultado do cálculo do Ibovespa é um índice que reflete o desempenho do mercado de ações brasileiro, levando em conta a variação dos preços das ações e o pagamento de dividendos das empresas componentes da carteira teórica. 

Como operar o Ibovespa?

Agora que você já sabe mais sobre o que é o Ibovespa, chegou o momento de entender como operar esse índice no mercado, certo?

Na prática, existem diferentes formas de operar o Ibovespa, que vão desde a compra direta de ações das empresas componentes do índice até a negociação de contratos futuros de índice na B3.

Uma das formas mais comuns de operar o Ibovespa é na compra e venda de ações das empresas que compõem a carteira teórica do índice. 

Para isso, é necessário ter uma conta em uma corretora de valores e realizar a compra e venda das ações desejadas. 

É importante lembrar que a negociação de ações envolve riscos e é recomendável buscar orientação de profissionais de investimento antes de investir em qualquer ativo.

Outra forma de operar o Ibovespa é através da negociação de contratos futuros de índice na B3. 

Os contratos futuros permitem que o investidor possa se posicionar na variação do índice, podendo ganhar ou perder dinheiro de acordo com a sua expectativa em relação ao mercado. 

Para operar contratos futuros de índice, é necessário ter uma conta em uma corretora que ofereça esse tipo de investimento e conhecer bem as características do mercado futuro.

Além disso, existem outras formas de operar o Ibovespa, como através de fundos de investimento, ETFs (Exchange Traded Funds) e opções, que podem ser utilizadas para alavancar ganhos ou reduzir riscos. 

É importante lembrar que cada uma dessas formas de operar o Ibovespa tem características próprias e envolvem diferentes níveis de risco e complexidade.

Em resumo, para operar o Ibovespa é necessário ter uma conta em uma corretora de valores, escolher a forma de investimento que mais se adequa ao seu perfil e objetivos, conhecer bem o mercado e buscar orientação de profissionais de investimento.

Como faço para investir?

Para investir em ativos que tem rendimento atrelado ao índice Ibovespa é muito simples, basta seguir o passo a passo a seguir:

  1. Abra uma conta em uma corretora de valores: escolha uma corretora para abrir sua conta. Boas opções são a Íon, Ágora, Inter Invest e NuInvest
  2. Coloque saldo na sua conta: para começar a investir basta você transferir dinheiro da sua conta bancária para a conta de investimento
  3. Escolha os ativos a investir: a maioria das corretoras hoje em dia oferece um teste rápido para identificar seu perfil e indicar os investimentos que mais se adequam aos seus objetivos e necessidades
  4. Acesse o Home Broker: é através desse recurso que você poderá comprar e vender suas ações através da internet. Normalmente, a corretora irá liberar o acesso ao seu Home Broker, bastando buscar pelo código do índice que deseja investir
  5. Acompanhe o mercado: o mercado de ações é de renda variável e por isso, para diminuir os riscos e perdas, é essencial checar as tendências do mercado para decidir a hora de investir ou vender as cotas que você já tem