Você já percebeu que o seu dinheiro não compra mais as mesmas coisas que comprava há alguns anos atrás? Que o preço do pão, do leite, da gasolina e de outros produtos e serviços aumentou muito? Bom, isso tudo é reflexo de como a inflação afeta nosso dinheiro.

Mas o que é inflação, afinal? Como ela é calculada? Quais são as suas causas e consequências? E como podemos nos proteger dela? Neste artigo, vamos lhe responder a essas e outras perguntas sobre esse assunto tão importante para a nossa educação financeira. Acompanhe!

O que é inflação?

A inflação é o aumento generalizado ou contínuo dos preços de uma série de categorias de bens e serviços importantes no dia-a-dia das pessoas.

Essas categorias formam o que chamamos de “cesta de produtos” e incluem: alimentação, habitação, vestuário, transporte, saúde, despesas pessoais, educação e comunicação.

Quando a inflação sobe, significa que os preços dessas categorias também subiram em média. Isso não quer dizer que todos os itens ficaram mais caros, mas sim que houve um aumento médio dos preços.

Por exemplo, se a inflação em determinado mês foi de 0,5%, significa que o aumento médio dos preços dessas categorias no período foi de 0,5%.

A inflação pode ser medida por diferentes índices, que usam metodologias e pesos diferentes para cada categoria.

O indicador oficial de inflação no Brasil é o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Ele é usado pelo governo para definir as metas de inflação e as políticas monetárias.

Outro índice muito usado é o IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), calculado pela FGV (Fundação Getulio Vargas). Ele é usado principalmente para reajustar o preço dos aluguéis e dos contratos.

Quais são as causas da inflação?

A inflação pode ter diferentes causas, dependendo do período analisado. Ela pode ser de curto prazo (aumentar em um mês) ou de longo prazo (aumentar continuamente ao longo de um ano ou mais). Além disso, ela pode ser influenciada por fatores internos ou externos à economia.

Algumas das causas mais comuns da inflação são:

  • Aumento da demanda: quando há mais pessoas querendo comprar um determinado produto ou serviço do que a oferta disponível, o preço tende a subir. Isso pode acontecer quando há maior disponibilidade de crédito, aumento da renda ou mudanças nos hábitos de consumo da população
  • Aumento dos custos de produção: quando fica mais caro produzir um produto ou oferecer um serviço, os produtores tendem a repassar esse aumento para os consumidores. Isso pode acontecer por causa do aumento do preço dos insumos (matérias-primas, energia, combustíveis etc.), da mão de obra (salários, encargos etc.) ou dos impostos
  • Inércia inflacionária: quando a inflação passada influencia a inflação futura. Isso acontece porque muitos preços são reajustados periodicamente com base na inflação acumulada. Por exemplo, os aluguéis são reajustados anualmente pelo IGP-M. Se esse índice subir muito em um ano, os aluguéis também vão subir no ano seguinte
  • Expectativas de inflação: quando as pessoas esperam que a inflação vai subir no futuro e antecipam seus gastos ou reajustes. Isso gera uma pressão adicional sobre os preços e acelera a inflação. Por exemplo, se os consumidores acham que os preços vão aumentar muito no próximo mês, eles podem comprar mais agora para evitar pagar mais caro depois, o que aumenta a demanda e os preços no presente

Quais são as consequências da inflação?

A inflação tem impactos negativos sobre a economia e a sociedade. Algumas das principais consequências deste índice no Brasil são:

Perda do poder de compra

Quando a inflação é maior do que o aumento da renda, as pessoas conseguem comprar menos coisas com o mesmo dinheiro.

Isso reduz o padrão de vida e o bem-estar da população, principalmente dos mais pobres, que gastam a maior parte da sua renda com itens essenciais, como alimentação e moradia.

Redução dos investimentos

Quando a inflação é alta e instável, os empresários ficam inseguros para investir em novos projetos, pois não sabem qual será o custo de produção ou a demanda dos consumidores no futuro. De modo geral, isso prejudica o crescimento econômico, a geração de empregos e a competitividade do país.

Ambiente de incerteza

Quando a inflação é imprevisível, as pessoas têm dificuldade para planejar seus gastos e suas poupanças. Isso gera um clima de desconfiança e ansiedade na sociedade, que pode afetar a saúde mental e a qualidade de vida das pessoas.

Como se proteger da inflação?

A inflação é um problema que afeta a todos, mas existem algumas formas de se proteger dela e minimizar seus efeitos. Algumas dicas são:

Acompanhar os índices de inflação

É importante estar informado sobre os índices de inflação e seus componentes, para saber quais são as categorias que mais estão subindo ou caindo de preço.

Assim, você pode ajustar seu orçamento e priorizar os gastos mais essenciais ou vantajosos, minimizando a alta da inflação em seu dinheiro.

Pesquisar os preços

Também é fundamental comparar os preços dos produtos e serviços que você consome, para encontrar as melhores ofertas e economizar.

Você pode usar aplicativos, sites ou ferramentas de busca para fazer essa pesquisa. Também vale a pena negociar descontos ou condições de pagamento mais favoráveis.

Investir seu dinheiro

Se você deixar seu dinheiro parado na conta corrente ou na poupança, ele vai perder valor com o tempo por causa da inflação. Por isso, é recomendável investir seu dinheiro em aplicações que rendam mais do que a inflação.

Existem diversas opções de investimentos no mercado, com diferentes níveis de risco e rentabilidade. Você pode escolher a que melhor se adapta ao seu perfil e aos seus objetivos.

Diversificar sua carteira

Além de investir seu dinheiro, é importante diversificar sua carteira de investimentos, ou seja, não colocar todo seu patrimônio em um único tipo de aplicação.

Assim, você reduz o risco de perder dinheiro se alguma aplicação não for bem ou se houver uma mudança no cenário econômico.

Uma forma de diversificar sua carteira é investir em diferentes classes de ativos, como renda fixa, renda variável, fundos imobiliários e etc.

Em resumo: a inflação é um fenômeno econômico que afeta diretamente o nosso dinheiro e a nossa vida. Por isso, é importante entender o que é inflação, como ela é calculada e como ela nos impacta, para podemos nos proteger dela e buscar uma melhor saúde financeira.